Translate

sábado, 11 de julho de 2015

Um novo site para seguir

Prezados amigos, resolvi inovar e criei um novo site onde continuarei publicando as resenhas dos livros, mas desta vez estarei fazendo algo que até então não havia feito antes, que é a locução dos textos apresentados. Também você encontrará no novo site lançamentos editoriais, comentários sobre livros e outros assuntos pertinentes a literatura.

Convido a todos para acompanharem, curtirem o compartilharem com seus amigos o meu novo site no seguinte endereço.



Abraços a todos

Luis Netto

quinta-feira, 9 de julho de 2015

VIDAS SECAS - GRACILIANO RAMOS




Graciliano Ramos, que apesar de ter nascido no Estado de Alagoas, constrói sua carreira de escritor na cidade do Rio de Janeiro. Ele chegou à capital carioca quando tinha 21 anos. Mesmo morando no Rio de Janeiro, Graciliano Ramos nunca esqueceu a sua terra natal; aquele sertão pobre onde viveu com sua família boa parte de sua vida.  Como escritor e jornalista Graciliano Ramos escreveu durante sua vida inúmeros livros, sempre contando momentos que vivenciou ou que tomou ciência. Um dos seus melhores livros foi “Vidas Secas”, onde ele relata de forma magistral todo sofrimento do povo nordestino em uma só família: a de Fabiano e Sinhá Vitória.
Fabiano, Sinhá Vitoria, seus filhos e a cadela Baleia caminhavam sem destino sob o sol escaldante, em busca de um lugar para ficar. Tinha caminhado o dia todo e estavam muito cansados. Fabiano chega a  uma casa que parecia estar abandonada e resolvem passar a noite naquele lugar e acabam ficando por mais uns dias
Apesar da casa estar abandonada, ela pertencia a um fazendeiro, que ao saber que tinha pessoas morando em uma  casa dentro de sua fazenda sem sua autorização, vai até lá com o propósito de expulsa-los, mas Fabiano implora para o fazendeiro deixa-lo ficar na casa mais uns dias e em troca ele cuidaria dos animais da fazenda. O fazendeiro aceita, mas diz a Fabiano que o salário será baixo.
Sem escolha Fabiano aceita a proposta. Depois de alguns dias morando naquele pedaço de sertão, na mais absoluta pobreza, Sinhá Vitoria, esposa de Fabiano, entrega a Fabiano o pouco dinheiro que tinham para que ele vá até a cidade comprar querosene pois a que era  oferecida pelo patrão era de péssima qualidade. Fabiano, ao chegar à cidade em vez de ir comprar a querosene, resolve parar em um bar para tomar um pouco de pinga e relaxar.
Fabiano estava dentro do bar, quando chega um policial, que o autor denomina soldado amarelo, que convida Fabiano para jogar cartas. Fabiano aceita o convite e acaba perdendo no jogo todo o dinheiro que tinha. Sem aceitar a derrota, Fabiano ofende o soldado, e acaba sendo preso. Foi a pior noite da vida de Fabiano, pois além de ter apanhado muito dos soldados ele estava preocupado sobre o que dizer para Sinhá Vitória, que certamente ficaria muito furiosa ao saber que o marido tinha sido preso por causa de jogos.
O livro conta sobre o inverno no sertão , quando a família de Fabiano se reunia em torno das fogueiras, em busca do calor do fogo. Conta também a época das festas juninas, uma das festas populares mais festejada em todo o Brasil. Numa destas ocasiões, Fabiano leva sua família para curtir uma festa junina na cidade, mas ao chegarem na festa, Fabiano e sua família, por não conhecerem ninguém na cidade ficam isolados e para complicar mais ainda a situação eles não sabiam como se comportar diante do povo da cidade. Os filhos ficam quietos no canto. Sinhá Vitoria, mostra sua simplicidade ao urinar no chão da festa. Fabiano, se afasta de sua família  e vai até uma barraca onde começa a beber até ficar totalmente bêbado ao ponto de não saber como voltar para sua casa. Um verdadeiro vexame!
Vendo que sua vida não era na cidade, Fabiano e Sinhá Vitória resolvem ficar morado no sertão e lutar pela vida com o dinheiro minguado que recebia no final de cada mês.
Tem uma passagem do livro que autor emociona ao contar a historia da cadela Baleia, fiel companheira daquela humilde família por muitos anos, que com o avançar da idade, começou a ficar doente. Fabiano, preocupado, sem saber o que fazer ao perceber que a Baleia não melhorava sua saúde, resolve poupar o sofrimento da sua cadela, com muita dor no coração, ela a mata com tiros de espingarda. É uma parte triste e muito forte do livro que Graciliano Ramos relata brilhantemente.
Depois do sofrimento de sacrificar Baleia, Fabiano vai até a casa de seu patrão receber o pagamento do mês e o valor recebido ficou muito abaixo do combinado, fato que só foi notado por Sinhá Vitoria, já que Fabiano, por ser completamente analfabeto, não sabia fazer uma simples conta de adição. Sinhá Vitoria ao perceber a safadeza que estava sendo feita com sua família, fala a Fabiano que vá até seu patrão reclamar o salário combinado. Fabiano foi, mas teve que aceitar o salário recebido, sob pena de ser expulso de onde morava.
A saída deles da fazenda foi só uma questão de tempo, pois com o fim do inverno, o céu estava rodeado por aves e a seca estava chegando, o que causaria a morte de vários animais, pois iria, com certeza, faltar água e o gado morreria de sede. Não vendo mais o que poderia fazer naquele lugar, Fabiano e sua família resolvem ir embora e caminhar sem rumo, em busca de um novo lugar para ficar. Um livro fantástico do grande escritor Graciliano Ramos.

Não deixem de ler.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

A VINGANÇA DA BALEIA





Quem nunca ouviu falar de Moby Dick? Moby Dick, segundo o autor do livro que leva seu nome, Herman Melville, foi uma baleia branca, que atacou e destruiu inúmeros navios na época da pesca baleeira. Li este livro uma ocasião e publiquei uma resenha sobre ele e foi um dos campeões de visita ao blog, chegando a marca de 9500 acessos. O tempo passou e estes dias, quando resolvi colocar os livros a venda, quando os organizava nas estantes, me deparei com um livrinho, que tinha uma nome sugestivo "A Vingança da Baleia" de Nathaniel Philbrick, editado pela Companhia das Letras e tem 190 paginas. O livro me chamou a atenção principalmente por contar um fato real que deu origem ao livro Moby Dick.
No  inicio dos anos de 1800, o óleo utilizado para movimentar a industria, o comercio e as residencias era o de baleia, Os Estados Unidos tinha a maior frota baleeira e o porto utilizado ficava na cidade de Nantuchek, no Oceano Atlântico. Os nativos daquela ilha eram considerados os melhores caçadores de baleia e eles sempre tinham a preferencia do capitão de qualquer navio quando ia ser montada uma tripulação, que era composta de no minimo 21 marujos, incluso o capitão e os imediatos. As viagens duravam em media 02 a 03 anos e a tripulação recebia  o ganho de seu trabalho quando retornavam das viagens e o valor era dividido proporcionalmente entre os tripulantes,

O livro "A Vingança da Baleia" conta a história real do navio baleieiro Essex, que era capitaneado por George Pollard, Jr. Era sua primeira viagem como capitão de um navio e ele saiu de viagem com previsão de voltar em 02 anos com mais de 1500 barris de oleo de baleia, O navio desceu o Oceano Atlantico até as Ilhas Falkland, no sul da Argentina e subiram o Oceano Pacifico, do outro lado da América e seguiu costeando a Costa do Chile em direção ao Peru, onde havia grande quantidade de baleias cachalotes, que em média pesam 60 toneladas e medem mais de 25 metros.
Eles não estavam levando sorte na caçada e haviam caçado ate aquela ocasião 01 baleia, quando  já meio do Oceano Pacifico, acima da linha do Equador avistam um cardume de baleias e partem para a caçada em 03 botes pequenos, tripulados cada um por 06 homens, sendo deixado a bordo do navio Essex 03 marinheiros. Eles conseguiram arpoar 02 baleias e estavam sendo levados pelos animais feridos para longe do navio e ai acontece o imponderavel; uma baleia, que apesar do seu tamanho é um animal manso, ataca o navio Essex por duas vezes, colocando-o em condição de naufrágio. 

Os marinheiros quando viram que o navio estava afundando, voltaram rapidamente para salvar o que podia ser salvo, principalmente água e comida. O Navio Essex afunda depois de dois dias e a tripulação de 20 homens segue perdida em pleno Oceano Pacifico, onde permanecem até serem socorridos após 90 dias. Neste tempo, houve racionamento de comida, falta dágua, canibalismo e no final foram salvos apenas 05 tripulantes. O autor descreve esta odisséia com muito detalhes e é um relato triste, envolvente e fascinamente ao mesmo tempo, transformando este pequeno livro numa leitura imperdivel,
Recomendo,

Luis Antonio Gonçalves - avô

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Um retorno aos tempos atuais




Prezado leitor amigo, confesso que fiquei um tempo ausente e não foi por fala do que fazer e sim por ter muito o que fazer, Estou cursando a faculdade de direito no período da manhã, a tarde trabalho num estágio junto a secretária de finanças do município e a noite além da academia, faço cursos de inglês, razão que não consigo mais tempo para escrever e vou passar esta missão para meu avô, quem tem o mesmo estilo de leitura que a minha, embora não com a mesma velocidade. Agradeço a todos os que me acompanharam e o blog vai continuar no ar e sempre que puder, publico alguma coisa, mas a partir de hoje, que vai escrever no blog será meu avô.

Bom dia, também me chamo Luis Antonio e vou continuar publicando resenhas de livros, comentários sobre fatos relacionados a literatura e também aproveitar o espaço para criar uma comercio virtual de livros, Com a popularização dos tabletes, a leitura em livros diminuiu muito e com isso estou colocando a venda parte da biblioteca que montamos. Hoje temos mais de 1200 livros dos mais diversos autores, gêneros literários, sendo a maioria livros novos. Quem tiver interesse, favor escrever para este blog ou para os endereços l.anton@uol.com.br ou l.antom@globo.com