Translate

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O Ultimo Dia do Ano - Uma homenagem a Carlos Drummond de Andrade

Feliz 20122
Que o Calendário Maia não esteja correto na previsão que o mundo irá acabar em 2012. Como sempre, de tempos em tempos surge um "fim do mundo", mas a vida segue forte, bonita e desafiadora, como deve ser. Como a maioria dos meus amigos e daqueles que acompanham meu blog sabem, descobri meio que por acaso o prazer da leitura e nesta andança por milhares de livros e paginas, dos mais váriados generos literários, teve um que li pouco e publiquei nada a respeito que é a poesia. É, talvez, o modo de leitura mais dificil de ser feito, pois a leitura de uma poesia, você precisa de colocar no lugar do autor e perceber a mensagem que ele quer passar. Ler uma poesia ou um poema, da mesma maneira que lemos um romance, não funciona. Experimentem ler, como dizem os poetas, com o coração.
Para brindar a chegada de 2012, resolvi prestar um singela homenagem ao maior poeta brasileiro, Carlos Drummond de Andrade, publicando o poema "O Utimo dia do Ano".
Espero que gostem!
 
PASSAGEM DO ANO

O último dia do ano
não é o último dia do tempo.
Outros dias virão
e novas coxas e ventres te comunicarão o
[ calor da vida.
Beijarás bocas, rasgarás papéis,
farás viagens e tantas celebrações
de aniversário, formatura, promoção, glória,
[ doce morte com sinfonia e coral,
que o tempo ficará repleto e não ouvirás o
[ clamor,
os irreparáveis uivos
do lobo, na solidão.

O último dia do tempo
não é o último dia de tudo.
Fica sempre uma franja de vida
onde se sentam dois homens.
Um homem e seu contrário,
uma mulher e seu pé,
um corpo e sua memória,
um olho e seu brilho,
uma voz e seu eco,
e quem sabe até se Deus...

Recebe com simplicidade este presente do
[ acaso.
Mereceste viver mais um ano.
Desejarias viver sempre e esgotar a borra dos
[ séculos.
Teu pai morreu, teu avô também.
Em ti mesmo muita coisa já expirou, outras
[ espreitam a morte,
mas estás vivo. Ainda uma vez estás vivo,
e de copo na mão
esperas amanhecer.

O recurso de se embriagar.
O recurso da dança e do grito,
o recurso da bola colorida,
o recurso de Kant e da poesia,
todos eles... e nenhum resolve.

Surge a manhã de um novo ano.

As coisas estão limpas, ordenadas.
O corpo gasto renova-se em espuma.
Todos os sentidos alerta funcionam.
A boca está comendo vida.
A boca está entupida de vida.
A vida escorre da boca,
lambuza as mãos, a calçada.
A vida é gorda, oleosa, mortal, sub-reptícia.



Meus votos de muitas alegrias, felicidades e desafios no ano que se inicia a todos meus familiares e amigos, que fizeram 2011 inesquecivel.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Gomorra


Roberto Saviano nasceu em 22 de setembro de 1979, na cidade de Nápoles, Itália. Formou-se em jornalismo e escreveu vários livros, entre eles o livro Gomorra, que documenta a atuação das máfias italianas e sua relação com as instituições do país. Com a publicação desta obra, que se tornou um best-seller em todo o mundo, Saviano foi jurado de morte pela Máfia Italiana ou como é conhecida Camorra, uma das máfias mais sangrentas e lucrativas do mundo  e  foi obrigado a deixar sua terra natal e esteve a ponto de abandonar a Itália no final de 2008.
Segundo relato da Biblia, a Destruição de Sodoma e Gomorra
De acordo com a história e com a Bíblia judaico-cristã, Gomorra foi uma das cidades destruídas pela ira de Deus com fogo e enxofre descido do Céu, a outra foi Sodoma. Ainda, segundo o relato bíblico, a cidade e seus habitantes foram destruídos por Deus devido à prática de atos imorais.
Na obra de Roberto Saviano, ele transcreve nos mínimos detalhes cada passo da máfia napolitana, que é considerada uma das mais sangrentas de todo o mundo que rouba, destrói, ou até mesmo tira a vida de qualquer um sem piedade.
Ninguém escapa das garras destes criminosos, agentes governamentais, pessoas comuns, negociantes, membros do Poder Judiciário, políticos e integrantes do clero da Igreja Católica, todos são vítimas potenciais da Máfia napolitana, assassinados ou aliciados por ela.
O Porto de Napoles é o 2º maior em movimento da Italia
Navios não cessam de depositar no porto de Nápoles produtos de todo gênero, procedentes do próprio território italiano e também de outras regiões européias – restos de substâncias químicas, elementos considerados venenosos e, surpreendentemente, corpos humanos. Tudo aí desembarca ilegalmente. Destes recipientes de carga ao universo da moda dos altos círculos, Saviano vai desvendando o mistério desta organização letal, revelando como ela se infiltra nos lugares e setores mais remotos, dentro e fora do país, gerando no território italiano uma situação insustentável quando eleva ao topo o nível de criminalidade no continente europeu.
A Camorra atua tanto em planos menos significativos, como a transação de produtos piratas nos mercados de camelôs e a corrupção no campo do comércio do lixo, quanto nas esferas requintadas do mundo fashion e da arte, alcançando também o universo do tráfico mundial de drogas. Toda esta movimentação tem como cenário as maiores metrópoles do Planeta, de um extremo a outro, do Leste da Europa à América do Norte, da região chinesa ao Brasil.
Não deixem de conhecer esta obra. Gomorra é um livro fundamental para decifrar a mecânica do crime organizado e que ajuda a entender as entranhas do capitalismo global. Vale a pena mesmo!

Recomendo.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Chegou o Natal!


Incrivel a mágia deste periodo. Desde meados de novembro, o espirito natalino passou a fazer parte da vida de cada pessoa. O comércio iniciou as promoções visando aumentar as vendas. As cidades, as lojas, as casas foram decoradas com lampadas e parece que uma nova energia paira sobre todos.
E agora, chega o Natal. Dia 25 de Dezembro. Engraçado  como uma data pode alterar tanto o cotidiano do mundo. Não importa em que parte estejam, todos de alguma maneira, vão comemorar este momento que é consagrado a familia.
Nos livros que li até hoje e foram muitos, encontrei muitos relatos reais ou imaginários de situações em que o homem interrompe tudo para se confraternizar. Isto acontece até em situações inusitadas, como numa guerra. A Historia nos conta muitos episódios a respeito.

Meus amigos, quero compartilhar com todos minha alegria de poder viver com vocês este momento magico que é o Natal. Aproveitem cada momento, curtam suas familias e divirtam-se muito. Façam coisas que não costumam fazer durante o ano, coisas simples, como jogar dominó com sua familia. A quanto tempo você não faz isso? Então,  não percam esta oportunidade.
Tenho certeza que no proximo ano, conseguiremos grandes vitórias e realizações, mas vamos fechar 2011 com chave de ouro com muita alegria e muita fé no coração.
Que Deus abençoe a todos.

Feliz Natal e um 2012 de muitas vitórias.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O Apanhador no Campo de Centeio


O autor e sua obra - grande sucesso editorial
Este romance escrito por J. D. Salinger conta a história de Holden Caulfield, um adolescente comum, divertido, covarde e deprimido, que não tem nada de especial. O escritor narra em um ritmo dinâmico, direto, saltando de um assunto para o outro como se fossem os pensamentos de Holden.  Ele tem uma irmã mais nova, Phoebe, a quem venera; um irmão mais velho, D. B., que é um roteirista em Hollywood, com que não se dá muito bem  e um irmão mais novo, Allie, que morreu de leucemia; seus pais com quem não consegue se entender bem e vários amigos. Entretanto, está constantemente se sentindo só, deprimido e carente de alguém que o entenda.
Nova York - uma das maiores cidades do mundo
O livro conta um fim de semana na vida de Holden, um jovem de dezessete anos, vindo de uma família abastada de Nova Iorque.  Holden, estudante de um reputado internato para rapazes, o Colégio Pencey, volta para casa mais cedo no inverno, depois de ter recebido más notas em quase todas as matérias e ter sido expulso da escola.
Resolve passar um fim de semana vagando por  Nova York, na tentativa de adiar o encontro com os seus pais e a inevitável discussão sobre sua expulsão. Holden vive uma série de experiências e encontros que o deixam cada vez mais frustrado, pois acha que todos são falsos.
Antes de enfrentar os pais, procura algumas pessoas importantes para si, como um professor, uma antiga namorada, sua irmãzinha, e, junto a eles, tenta explicar e inclusive entender a confusão que passa pela sua cabeça. Holden também queria proteger a irmã e a inocência que ela representa de um mundo tão assustador e evitar que se torne uma adulta falsa.
Enquanto Holden esperava a coragem para conversar com seus pais, se transcorrem 03 dias e ele passa este tempo na cidade num constante estado de  grande bebedeira e solidão. Em certo ponto ele acaba em um museu, no qual ele assemelha sua vida com a dos esquimós nas vitrines. De até onde ele se recorda, as estátuas nunca mudaram. Tais preocupações podem ter se originado em grande parte devido à morte de seu irmão, Allie.
Centeio
Holden acredita que ser um “apanhador no campo de centeio” significa salvar as crianças contra a perda de sua inocência. Ele conta esta fantasia para sua irmã mais nova, Phoebe, que é a única pessoa com a qual Holden consegue se comunicar. Phoebe vê seu irmão como um herói, e ela é ingenuamente desconhecedora de que a visão de Holden dela é praticamente a mesma.
Nesta fantasia de Holden ele se imagina como o único guardião de inúmeras crianças correndo e brincando em um pequeno campo de centeio na beira de um precipício. Este precipício simboliza a transição da criança, inocência, para a vida adulta, falsidade. Seu trabalho é pegar as crianças se elas vagarem perto da beira, ele é o “apanhador no campo de centeio”. Por causa dessa má interpretação,
O maior hospital psiquiatrico de Nova York
Somente no final do livro que vamos descobrir que Holden está internado em hospital para doentes mentais. Se você for um adolescente, ou estiver em busca da sua identidade com certeza vai se identificar com muitas características deste jovem, pois acredito que muitas de suas dúvidas e inseguranças são descritas com muita sensibilidade pelo escritor.
Livro extraordinário.
Recomendo a todos.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

A Face da Guerra

"A Face da Guerra" reúne em um único volume, os textos da jornalista norte-americana Martha Gellhorn, que ao longo de quase cinqüenta anos cobriu desde a Guerra da Espanha até os distúrbios do final da década de 1980 na América Central, passando pela Segunda Guerra Mundial e pela Guerra do Vietnã.
Guerra Civil Espanhola - Milhares de Mortos
No livro, Martha faz um relato jornalístico, no qual ela explica que a Guerra Civil espanhola foi o acontecimento mais traumático que ocorreu antes da 2ª Guerra Mundial.  Nela estiveram presentes todos os elementos militares e ideológicos que marcaram o século XX.
De um lado se posicionaram as forças do Nacionalismo e do Fascismo, aliadas as classes e instituições tradicionais da Espanha e do outro lado, a Frente Popular que formava o Governo Republicano, representando os sindicatos, os partidos de esquerda e os partidários da democracia.
Para a Direita espanhola tratava-se de uma Cruzada para livrar o país da influência comunista e da Franco Maçonaria e restabelecer os valores da Espanha tradicional, autoritária e católica. Para tanto era preciso destruir, acabar com a República, que havia sido proclamada em 1931, com a queda da Monarquia.
Picasso pintou "Guernica" na Guerra Espanhola
Para a Esquerda era preciso dar um basta ao avanço do Fascismo que já havia conquistado Itália, em 1922; a Alemanha, em 1933 e a Áustria, em 1934. Segundo as decisões da Internacional Comunista, de 1935, elas deveriam aproximar-se dos partidos democráticos de classe média e formarem uma Frente Popular para enfrentar a maré de vitorias nazi-fascista. Desta forma, Socialistas, Comunistas, Anarquistas e Democratas liberais deveriam unir-se para chegar e inverter a tendência mundial favorável aos regimes direitistas.
Foi justamente esse conteúdo, de amplo enfrentamento ideológico, que fez com que a Guerra Civil deixasse de ser um acontecimento puramente espanhol para tornar-se numa prova de força entre forças que disputavam a hegemonia do mundo. Nela envolveram-se a Alemanha nazista e a Itália fascista, que apoiaram o golpe do Gen. Franco e a União Soviética que se tornou solidária com o governo Republicano.
Zona da Guerra do Vietnã
Foto da Guerra do Vietnã
Durante a narrativa de “ A Face da Guerra”, a autora faz um resumo do que foi a Guerra do Vietnã, mas deixa bem claro o que foi e porque ocorreu. Esta guerra começou no ano de 1959 e terminou em 1975. As batalhas ocorreram nos territórios do Vietnã do Norte, Vietnã do Sul, Laos e Camboja e esta guerra pode ser enquadrada no contexto histórico da Guerra Fria entre União Soviética e Estados Unidos.
A garota da foto é uma sobrevivente da Guerra do Vietnã
A relação entre o Vietnã do Norte e do Sul, em função das divergências políticas e ideológicas, era tensa no final da década de 1950. Em 1959, soldados vietcongues, guerrilheiros comunistas, com apoio de Ho Chi Minh e dos soviéticos, atacaram uma base norte-americana no Vietnã do Sul e em função deste ataque, deu-se inicio a Guerra do Vietnã, onde, apesar de todo seu poderio, o Exercito Americano foi derrotado.
Um livro sobre guerra sempre empolga os leitores, mas este livro é acima de tudo, imperdível por trazer a tona, um período da humanidade que deveria nunca mais acontecer. É através da historia, dos erros do passado que o homem poderá acertar o futuro.
Um livro fantástico.
Recomendo a todos.

fotos obtidas na internet - google

sábado, 3 de dezembro de 2011

E o Ano esta acabando!


Já estamos chegando no final de 2011. Caramba, como o tempo passa rápido! Parece que foi ontem que nos reunimos em familia para comemorar o Natal de 2010 e já esta quase completando um ano desta data. Ainda não é momento de fazer balanço do que aconteceu neste periodo, mas é momento para refletir sobre este tempo que não volta mais.
Este ano foi muito legal pra mim. Consegui entre outras coisas, concluir o segundo ano do Ensino Médio, trabalhei em muitas obras de caridade, fiz muitas publicações em meu blog e li muitos livros. Foram mais de 2000 livros somente este ano.
Alguns deles publiquei em resumo, mas para quem tiver curiosidade em conhecer toda a coleção, acesse o site www.skoob.com.br  e procure a minha estante. O meu login é luisinho.
No plano familiar, minha vida também foi legal, embora tenha tido alguns problemas, como todo mundo, como o acidente com meu avô em agosto, quando fraturou a perna e o deixou em casa até hoje, o acidente com meu pai, que escorregou e quebrou o braço, mas também teve coisas otimas, como a conclusão do ensino do segundo grau pela minha irmã, Ana Lygia e minha mãe, que graças a Deus, teve um ano com muita saúde.
Comentando sobre minha irmã, ela agora chega no momento critico da maioria dos jovens, quando estão prestes a entrar para a faculdade: escolher a profissão.
 Parece simples esta decisão, mas não é simples não, muito pelo contrário, é muito dificil.  O mercado de trabalho esta muito concorrido e a escolha da profissão é que vai de uma certa forma determinar nosso futuro. Temos conversado muito a respeito e espero que ela, assim como eu em 2013, possamos escolher o melhor caminho.
Hoje, estou saindo da minha linha de publicação, mas é bom um motivo. Eu queria aproveitar este momento para agradecer a todos vocês. Vocês não podem imaginar o orgulho e a energia que sinto quando vejo diariamente a quantidade de pessoas que acessam meu blog. São mais de 53000 acessos. Este numero me deixa muito feliz, mas também preocupado em fazer o melhor a cada vez que faço uma publicação. Outro dia   lendo uma das primeiras publicações escrevi que o objetivo era fazer do Prazer da Leitura um local onde pudessemos trocar idéias, sem a preocupação de ser um local academico. Apenas um lugar para se bater papo entre amigos. E graças a vocês, conseguimos.

Agora, que as férias estão chegando, vamos aproveitar e descansar e nos preparar para 2012. Aproveitem e leiam bastante, vejam filmes, teatro e o mais importante, aproveitem a vida. Afinal, daqui a pouco estaremos comentando o final de 2012.

Abraço a todos

sábado, 19 de novembro de 2011

A Lenda do Bambu Chinês



A Majestade do Bambu Chinês
Esta semana, numa conversa informal com amigos, um deles estava desanimado com um projeto pessoal que parecia que nada estava dando certo, por mais que houvesse  esforço no sentido de fazer tudo acontecer como o planejado. Conversa aqui, conversa ali, até que chegou um outro amigo, mais experiente e após ouvir o nosso debate disse em tom professoral: “Vocês conhecem a Lenda do Bambu Chinês?”. Olhamos um para o outro e vimos que ninguém sabia nada sobre isto e o nosso amigo, cheio de conhecimento, apenas disse:  Pesquisem o assunto e depois se quiserem falem comigo. E foi o que fiz. Pesquisei, gostei muito do assunto e estou publicando aqui esta linda mensagem, que certamente poderá servir para muitos. Esta publicação é de domínio publico e esta disponível na Internet. O Texto abaixo não foi desenvolvido por mim, e sim copiado do um blog Agenda da Bete, que quero referenciar nesta mensagem.

 
“Depois de plantada a semente deste incrível arbusto, não se vê nada por aproximadamente cinco anos, exceto um lento desabrochar de um diminuto broto a partir do bulbo”.

Durante cinco anos, todo o crescimento é subterrâneo, invisível a olho nu, mas... uma maciça e fibrosa estrutura de raiz que se estende vertical e horizontalmente pela terra está sendo construída. Então, no final do 5º ano, o bambu chinês cresce até atingir a altura de 25 metros.


Um escritor de nome Covey escreveu: "
Muitas coisas na vida pessoal e profissional são iguais ao bambu chinês. Você trabalha, investe tempo, esforço, faz tudo o que pode para nutrir seu crescimento, e às vezes não vê nada por semanas, meses ou anos. Mas se tiver paciência para continuar trabalhando, persistindo e nutrinsonhos... Em nosso trabalho especialmente, que é um projeto fabuloso que envolve mudanças de comportamento, de pensamento, de cultura e de sensibilização, devemos sempre lembrar do bambu chinês para não desistirmos facilmente diante das dificuldades que surgirão.
do, o seu quinto ano chegará, e com ele virão um crescimento e mudanças que você jamais esperava...
"

O bambu chinês nos ensina que não devemos facilmente desistir de nossos projetos e de nossos
Procure cultivar sempre dois bons hábitos em sua vida: a Persistência e a Paciência, pois você merece alcançar todos os seus sonhos.


É preciso muita fibra para chegar às alturas e, ao mesmo tempo, muita flexibilidade para se curvar ao chão.
Espero que tenham gostado desta mensagem. É uma lição para sempre.


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

As Ilhas da Corrente

O romance “As Ilhas da Corrente” de Ernest Hemingway, descreve a história de Thomas Hudson, um artista divorciado e alcoólatra, tendo como característica o fato de levar a vida com certo desprezo, apesar disto nunca deixou de escrever suas poesias. O livro conta a trajetória de Thomas Hudson, no decorrer dos anos, ao longo da Corrente do Golfo: às vésperas da Segunda Guerra Mundial e durante a mesma.
O personagem principal do livro, Thomas Hudson, no início dos anos 40, afastado dos 3 filhos e das 2 mulheres, vivia apenas das recordações boas e ruins de sua juventude em Paris. Não tinha muitos amigos e alguns, como negro Joseph, era seu parceiro no consumo de bebidas alcoólicas. Passou com esta vida durante muitos anos, sempre na mesma rotina, pensativo, escrevendo poemas, e bebendo com os amigos. O que aparentemente para alguns é um paraíso morar em uma ilha do Golfo, para Thomas, era um tormento, pois sentia a pior sensação que o ser humano pode suportar que é a solidão.
Porém tudo muda, sua solidão foi quebrada quando recebe a visita, durante as férias, de seus três filhos. Junto com a felicidade veio à tristeza, pois sua filha caçula sofre um acidente e morre. Pra completar este quadro triste, ele volta a encontrar sua primeira esposa, o que vem aumentar sua infelicidade.

Thomas então vai viver em Havana, capital de Cuba, onde tem uma fazenda, onde estava vivendo tranqüilo, curtindo sua vidinha na zona rural, com suas vacas e algumas galinhas. Apesar de ter uma aparência um pouco hostil, era o essencial para o momento que estava passando.
Esta tranqüilidade não demorou muito para acabar.  A Segunda Guerra Mundial que estava ocorrendo acabará de entrar em seu momento mais critico, ou seja, o período de maiores confrontos. Thomas é convocado e atua como combatente, engajando-se em uma missão secreta caçando submarinos nazistas em alto-mar.
Foi durante a Guerra que Thomas perde seu filho mais velho morre lutando pela Inglaterra. A dor por perder mais um filho era imensa, mas todo este tempo que Thomas morou sozinho o fez perceber que tudo na vida tem um porque: todos alguns dias iram morrer, apenas o modo que é desconhecido.
As seqüelas trágicas do fim da Segunda Guerra Mundial são, afinal, um retrato do próprio autor, já que unem, numa trajetória única, as experiências do artista e do homem de ação. Thomas Hudson tem muito do Hemingway, inclusive em sua descrição física: barbas brancas, apreciador de boas bebidas, amando o mar e vivendo num exílio voluntário.
O escritor Ernest Miller Hemingway nasceu em 1899, em Oak Park, Illinois, Estados Unidos da América. Filho de um médico da zona rural cresceu em contato com um ambiente pobre e rude, que conheceu ao acompanhar o trabalho do pai na região. Escreveu diversos livros, entre os quais posso destacar o clássico o “Velho e o Mar”, um dos mais lidos em todos os tempos.
Um livro espetacular, que une aventura, romance e uma boa dose de humor.
Recomendo a todos.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Capitães de Areia

Finalmente posso comemorar 50.000 acessos ao meu blog. Comecei com ele em agosto de 2010 e não tinha esta pretensão, mas graças a vocês, consegui uma marca que os empresários da Internet consideram espetacular. Só tenho que agradecer a todos. Vou procurar a partir de agora, melhorar cada vez as publicações e sempre que puder, fazer inovações. Para comemorar este momento, vou republicar uma sinopse de um grande sucesso de Jorge Amado, que hoje é tema quase obrigatório de estudantes que vão prestar vestibular neste final de ano, que é "Capitães de Areia". Esta sinopse publiquei em outubro de 2010.

"Capitães de Areia" um dos clássicos da literatura brasileira, de  Jorge Amado, um dos escritores mais influentes na história literária do Brasil, no século XX.
Este romance  mostra como vive a população realmente pobre na Bahia.  Jorge Amado para  transmitir  esta idéia deu vida a um grupo de garotos, os "Capitães de Areia", uma pequena 'tribo'  composta inicialmente por quatro integrantes: Pedro Bala, o líder desse grupo. Ele tinha cicatriz de navalha que atravessava todo seu rosto e era uma prova de sua coragem; Pirulito, era o que  representava a religiosidade de todos e para tanto, rezava todas as noites  para que Deus o  livrasse  de todos seus pecados; Professor, o  unico letrado do grupo e  o mais sensato nas decisões; e finalmente o Gato, o sedutor do grupo, que ganhou o apelido pela facilidade de conquistar as pessoas.
O grupo era procurados pela Policia Baiana,  que por não ter o que  comer, vestir, beber, entre outras coisas, tinham que roubar carteiras, dar golpes em pessoas mais bem sucedidas. Viviam na marginalidade o bando  dos Capitães de Areia e de seu líder Pedro Bala.
No filme Pedro e Dora
Ninguém gostava do jeito de ser destes garotos, mas Dora gostava muito. Dora era uma garota capaz de qualquer negócio para fazer parte do grupo. Pedro Bala já tinha novos integrantes no grupo, como João Grande, Boa-Vida e Sem Pernas, mas não aceitava a presença de mulher no grupo, pois considerava as mulheres inferiores aos homens. Dora, que não aceitava esta condição, com toda garra começou a mostrar ao chefe do grupo que tinha capacidade de ser a única mulher do Capitães de Areia e acabou sendo aceita.
 O novo grupo, agora mais com a entrada dos novos iria sofrer com a prisão Pedro Bala. Esta nova situação levou Dora, que era apaixonada por Pedro, acaba sendo internada num hospital. Pedroconsegue fugir da prisão e vai atrás de sua paixão Dora. Encontra-a hospitalizada e estava em estado febril e bem debilitada, mas ao ver Pedro levantou-se de imediato, como se o mau estar tivesse acabado. Esta felicidade durou pouco, pois horas depois Dora não resiste a doença e morre.
Jorge Amado
 E desta maneira Jorge Amado, com seu talento maravilhoso, vai acabando com o grupo Capitães de Areia. O tempo foi passando e os garotos da gangue foram tomando juizo e resolvem estudar e ser alguém na vida que teriam pela frente. O romance é fantastico e os personagens são inesquecives. Se você ainda não teve oportunidade de ler este livro, procure faze-lo e você vai se apaixonar pelo enredo criado pelo autor. Quando terminar a leitura, você, como eu,vai sentir saudades de Pedro Bala, Dora e toda a turma dos Capitães de Areia.
Um livro fantástico por toda sua emoção e toda sua critica social, recomendo a todos.
Mais uma vez, obrigado a todos pelo sucesso do meu blog.


Fotos da Internet dos autores do filme "Capitães de Areia"

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Estação Carandiru


Dráuzio Varella, médico cancerologista paulista, iniciou em 1989 um trabalho voluntário de prevenção à AIDS na Casa de Detenção de São Paulo, na época, o maior presídio do Brasil, situado no bairro do Carandiru e que abrigava mais de 7200 presos. O conjunto presidiário era formado por nove pavilhões, cada um com cinco andares. Suas celas tinham portas maciças e só se sabia o que passava atrás delas quando as abria.

Complexo Prisional do Carandiru
Por sua experiência vivida neste local como médico, ele escreveu um grande sucesso editorial brasileiro “Estação Carandiru”. Neste livro, o autor relata suas experiências pessoais, fruto do relacionamento com presos e funcionários e se dispõe a tratar com as pessoas caso a caso, mesmo em condições nada propícias à manifestação das individualidades.
Dráuzio Varella descreve no livro mais os aspectos sociológicos do que os propriamente ligados à área médica. Seu trabalho de pesquisa de prevenção à AIDS deu–lhe a oportunidade de conhecer um lugar povoado de maldade onde não se conhece, muitas vezes, a verdade. A vida dentro da Penitenciária do Carandiru caracteriza–se como um mundo diferente, dentro do mundo ocupado pelos cidadãos livres.

Superlotação foi a razão da rebelião
Ali existiam normas que deviam ser cumpridas por força da segurança e da lei, entre outras formuladas pelos presidiários, que exigiam que fossem cumpridas. Qualquer descumprimento com as regras eram castigadas com espancamentos e dependendo do caso, até com a pena de morte. Os prisioneiros eram ao mesmo tempo seus próprios juízes e algozes tendo como base as leis por eles mesmos estabelecidas.
Cada pavilhão tinha sua clientela especifica. O critério da distribuição obedecia às regras básicas. Por exemplo, quem praticava o estupro era encaminhado para o Pavilhão Cinco, os reincidentes no oito e os réus primários no Pavilhão Nove. Os presos com diploma universitários, que eram raros, moravam em celas individuais no Pavilhão Quatro, que era o local com mais privilégios dentro daquele enorme complexo prisional..

Um dos pavilhões do presidio
O pavilhão cinco era o mais lotado da cadeia. Moravam ali 1.600 homens, o triplo do que era recomendado para uma cadeia inteira. Ali habitavam os presos integrantes da faxina da penitenciaria. Eram os encarregados da limpeza geral e da distribuição de refeições. No quarto andar ficavam os presos que foram expulsos dos outros pavilhões devido a maus procedimentos ou derrota em disputas pessoais, além de outros estupradores e justiceiros. O que mais chamava atenção neste andar era a presença dos travestis com as maçãs do rosto infladas de silicone, calças agarradas e andar rebolado.
O livro retrata ainda em detalhes um dos episódios mais violentos do Governo do Estado de São Paulo, quando o Governado Fleury, autoriza a invasão do presídio por tropas policiais e este episódio triste da historia fico conhecido como O Massacre do Carandiru.
Numa sexta feira, do mês de outubro de 1992, começou uma rebelião no Pavilhão Nove. As quinze horas deste dia, policiais entraram na Detenção com metralhadoras, cães e escopetas. O Governador Fleury Filho qualificou a operação como uma ação policial para combater briga de quadrilhas. Nesta operação, de uma forma cruel, cento e onze detentos foram mortos pela Policia.

Tropa de Choque
O ambiente na cadeia é como uma panela de pressão, quando explode é impossível conter. O ataque foi desfechado com precisão militar, rápido e letal. A violência da ação não deu chance de defesa para os presos. Trinta minutos depois da invasão ouviram-se gritos de “Para! Já chega! Acabou!” Uma, após outra, as metralhadoras foram silenciando. Após os tiros caiu um silencio de morte nas galerias. Os carros da polícia e do IML transportaram os mortos, até tarde da noite. Nas celas o ambiente era trágico. Dadá, um preso evangélico que sobreviveu ao massacre abriu a Bíblia e leu chorando como criança com o trecho: “Mil cairão ao teu lado e dez mil à tua direita, mas tu não serás atingido, nada chegará à tua tenda” Salmo 91


Mortos no Massacre do Carandiru
Sem qualquer condição de cumprir sua função social, o completo da Penitenciaria do Carandiru, que foi construído para abrigar 3500 presos, chegou a abrigar mais de 9000 detentos. O local era imagem vergonhosa da grave crise do sistema prisional em São Paulo. Era impossível continuar como estava e decisões governamentais foram tomadas. Novas penitenciarias foram construídas no Interior do Estado, a população carcerária foi dividida entre as novas unidades e aquele inferno localizado praticamente no centro da maior cidade do Brasil, foi finalmente desativado.

Mega Biblioteca construida no local dos presidios
Parte da construção foi implodido em 2002. Apenas alguns prédios foram deixados para a administração publica, senão com este objetivo, mas como uma lembrança de um momento para ser esquecido pelo povo paulistano.


O sucesso do livro “Estação Carandiru” foi tanto que sua historia foi retratada no cinema, com o filme que teve o mesmo nome, que é até hoje, um dos maiores feitos do cinema brasileiro.

Simplesmente uma obra extraordinária.

 
Fotos obtidas pela Internet

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

E a Portuguesa voltou!

Eu confesso ser torcedor do São Paulo. É uma tradição da família, que começou com meu tataravô Francisco, que herdou para meu bisavô Luis(Zebra), para meu avô Luis Antonio, para meu pai Evandro e agora sou eu o porta voz do time do meu coração, o Tricolor do Morumbi.
Provalvemente, alguns dos meus amigos mais próximos protestarão contra esta publicação, mas a mudança de rotina na publicação de meu blog deve-se somente a um fato: homenagear a grande colônia portuguesa radicada no Brasil, através do futebol. Quero prestar minha homenagem ao time de futebol da Portuguesa Desportos, a querida Lusa do Canindé.
Meu blog tem um grande publico em Portugal. Publico fiel, que já acessou as páginas do Prazer da Leitura mais de 10.000 vezes. Parte do agradecimento desta visitação vai para a professora Marilia, diretora do Colegio D.Pedro I, em Lisboa, que incentiva seus alunos a visitarem e lerem minhas publicações.
Falando do futebol, por hoje ser considerado uma empresa, dada as complexidades administrativas, não é fácil obter sucesso numa empreeitada como a montagem de um time vencedor. Não basta apenas contratar 25 ou 30 jogadores, 01 técnico, uma comissão técnica. É preciso ter uma sintonia fina para que todos envolvidos no projeto caminhem em uma só direção, em busca de um ideal comum.
E muito difícil. Imagine sempre que quando duas pessoas estão reunidas, as idéias já se conflitam. Uma orquestra, um time de futebol ou uma equipe de vendas tem o mesmo perfil de dificuldade. Fazer com que o esforço individual seja uníssono e voltado para o bem estar da coletividade é talvez o maior desafio e a maior gloria de quem consegue.
A Portuguesa conseguiu. Montou um time com alguns jogadores experientes, um treinador sério e competente e deu no que deu. Teve seu trabalho, seu planejamento plenamente recompensado.
Que a vitória da Portuguesa seja para este povo fantástico a motivação para os desafios que a vida sempre apresenta.

Parabéns

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

1.000.000 de Páginas!

1.000.000 de Páginas!
Se esta conversa tivesse acontecido em janeiro de 2010, eu não acreditaria de jeito nenhum. Imaginar que um garoto de 16 anos pudesse ler um número tão grande de paginas em menos de 02 anos. Imagina conhecer e vivenciar praticamente todo este período, participando ativamente da motivação necessária, do abastecimento dos livros e do seu conforto físico e espiritual.
Esta é a historia do dono do blog Leitura Veloz. Luis Antonio Gonçalves Netto. Como dá pra notar, estou escrevendo novamente sobre o mesmo personagem de outros artigos: meu neto. Não se trata apenas de escrever sobre um parente próximo. Trata-se sim do reconhecimento de um trabalho realizado praticamente sem critérios de comparação.
Para ser lida a quantidade de 1.000.000 de paginas foram necessários manusear mais de 3.300 livros, que se formos considerar o altura média de um livro em 04 centímetros, significaria poder dizer, apenas para ilustrar o exemplo, que ele leu um livro com 132,00 m. Ou seja, se fossemos colocar todos os livros lado a lado, teríamos que utilizar muito mais que um campo de futebol.
A vida de uma pessoa tem que mudar com tanta informação. A do Luis mudou. E mudou para melhor. Hoje ele é uma pessoa articulada, discute assuntos dos mais diversos temas, mas continua uma pessoa simples. Embora ainda cursando somente o segundo ano do segundo grau, ele já leu livros sobre Direito, Administração, Psicologia, Relações Empresariais, Psiquiatria, Religião, Contos, Poesias e Romances.
Hoje é dia de festa! Festa pra nós que somos da família, festa para os seus amigos mais chegados que o admiram e festa para a cultura de um modo geral. Num mundo onde a maioria dos jovens não coloca a leitura como seu passatempo predileto, eis que surge uma pessoa totalmente do bem, que tem uma vida tão natural como qualquer garoto da sua idade e consegue um prodígio deste. Um dia raro, um dia de comemorar.
Encerro aqui este pequeno artigo, que mais que uma homenagem a um feito que considero inusitado, fica minha admiração e reconhecimento desta caminhada percorrida, que com certeza, ainda não chegou ao final da sua parte inicial. Quem viver verá.

Luis Antonio (um avô orgulhoso)

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

A Metamorfose


Imaginem escrever um livro! Tarefa difícil, não? Agora, imaginem escrever um livro e torná-lo um dos mais lidos do mundo. Este feito foi conquistado por Franz Kafka,  nascido em Praga, no dia 3 de julho de 1883 foi um dos maiores escritores de ficção da língua alemã do século XX. Kafka nasceu numa família de classe média judia. O corpo de obras e suas escritas, a maioria incompletas e publicadas postumamente, destaca-se entre as mais influentes da literatura ocidental. Os seus livros mais conhecidos são “O Processo” e “A Metamorfose”, que comentarei no blog hoje.
Esta obra esta que pode ser resumida em duas partes: Na Parte A o autor conta a história de Gregor Samsa, um caixeiro viajante,  e sua transformação em uma barata e na Parte B relata o que  quis passar ao mundo com a tal obra.

Parte A: O jovem vendedor Gregor Samsa, desprezado pelos seus pais e pela sua irmã, que o tinha apenas passar pagar suas contas e nada mais, um dia acorda transformado em um inseto gigantesco. Mal pode se mover e muito menos ir para o trabalho, como pretendia. O seu chefe vai até sua casa e,  do lado de fora da porta  queixa-se do atraso e do baixo rendimento dele ultimamente. Gregor responde com uma voz que ele mal pode ouvir, dizendo que se sentirá melhor logo que saia e comece a trabalhar. Ao abrir a porta, o chefe fica horrorizado.
A família o deixa isolado no quarto e só sua irmã se preocupa em levar vários  tipos de comida, tentando adivinhar ele vai gostar mais.  Sua mãe tem medo e nem mais quer vê-lo. Uma vez deixou o quarto acidentalmente e o pai o obrigou a voltar, lançando-lhe maçãs que ficam incrustadas no corpo dele. Outra vez sai, atraído pelo violino que a irmã toca para alguns hóspedes e estes se assustam e deixam a casa, enojados.
Sua metamorfose de homem para inseto também provocou uma metamorfose da família, que até então vivia as suas custas. Tiveram que procurar uma forma de sobreviver. Seu pai consegue um emprego como continuo e sua irmã como balconista. Gregor Samsa sobrevive em seu quarto, cada vez mais afastado da natureza humana, embora ainda preocupado com o destino de sua família.
Sua família,  que vinha dando mostras de despreocupação com o seu caso, passa a desprezá-lo e abandoná-lo. A própria irmã, que tanto o havia entendido, diz que eles já toleraram bastante e que já fizeram por ele tudo o era possível e que o erro deles foi acreditar que aquela coisa continua o ser o Gregor. Este cada vez come menos, por inapetência, morre e é jogado no lixo. A família se sente livre e começa a fazer planos para casar a menina.
Franz Kafka
Parte B:  Esta parte. O autor foca a vida de  Gregor quando realmente sentiu ao parecer um inseto, uma barata,  com sua genialidade, consegue mostrar como é o sofrimento de um homem ao perceber que ele não passa de um pagador de contas para a família, ou seja, que não há carinho algum para com ele,  mesmo se esforçando para fazer tudo para a familia. É este  sentimento de desprezo que o faz se sentir um inseto nojento e peçonhento, que se repete em milhares de lares.

Infelizmente, uma roda viva!

Um livro espetacular.

Recomendo a todos.

Quer saber mais? Acesse

http://www.dihitt.com.br/n/livros/2009/03/24/livro-a-metamorfose--gratis-para-baixar