Translate

sábado, 29 de junho de 2013

ANTONIO ERMÍRIO DE MORAES - Memórias de um diário confidencial


Hoje vou publicar uma pequena resenha e pode enteder como uma singela homenagem a um grande empresário brasileiro, Antonio Ermírio de Moraes, que teve sua vida pautada por grandes realizações e seus feitos tanto na área empresarial como cultural, o destaca como um dos maiores brasileiros de todos os tempos. Muito já se comentou sobre ele em blogs, noticias de jornal, televisão, mas um grande amigo, José Pastore, resolveu publicar um livro intitulado "Antonio Ermírio de Moraes - Memorias de um diário confidencial" livro este que li recentemente e recomendo a todos que apreciem este tipo de leitura.
 
O autor, José Pastore é Doutor Honoris Causa em Ciência e PH D em Sociologia pela University of Wisconsin (EUA), professor titular da Faculdade de Economia e Administração e da Fundação Instituto de Administração da USP - Universidade São Paulo, além de ser pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas e consultor em relações do trabalho e recursos humanos. Amigo de Antonio Ermírio à mais de 35 anos, conta no seu livro, desde a infância até os tempos atuais deste grande filantropo brasileiro.
 
 
Antonio Ermírio de Moraes nasceu em 04 de junho de 1928, filho de José Ermírio de Moraes e Helena de Moraes, teve sua formação estudantil no Colégio Rio Branco e no Colorado Scholl of Mines, dos Estados Unidos, onde se formou em 1949, como engenheiro metalurgico. Sua carreira profissional se deu no Grupo Votorantim, empresa fundada pelo seu pai, que atua no mercado de insumos básicos como cimento, celulose, aluminio, zinco, aço, etc.
 
 
A biografia nos mostra fatos pitorescos, como a maneira que Antonio Ermírio, devido a sua simplicidade ficou conhecido na sociedade como o "homem mais mail vestido do Brasil", mas isto não o desmerece em nada, visto que além do cargo de Presidente do Conselho de Administração do Grupo Votorantim, ele também é membro e tem cargos diretivos em diversas organizações beneficentes, entre elas a Associação Cruz Verde, o Hospital Beneficiência Portuguesa, da Fundação Antonio Prudente e do Hospital São José.
 
O Grupo Votorantim é talvez o maior grupo empresarial do Brasil, pois além das inumeras industrias, conforme citei anteriormente, o grupo ainda tem o Banco Votorantim e a BV Financeira, que já recebeu por três  anos consecutivos o prêmio de melhor financeira do pais, segundo a revista Exame. São milhares de pessoas que dependem do sucesso deste grupo empresarial.
 
No plano politico, em 1986, Antonio Ermírio candidatou-se ao governo do Estado de São Paulo, ficando em segundo lugar, perdendo a disputa para Orestes Quércia. Na sua vida familia, teve 09 filhos e todos tiveram uma educação rigida, para que não se acostumassem com as mordomias que o dinheiro oferece. Todos tiveram que trabalhar para conquistar seus espaços no universo das 96 empresas que formam este enorme conglomerado de produtivadade e geração de emprego. Pelo seu trabalho, Antonio Ermirio recebeu em 1974 o premio Engenheiro do Ano.
 
 
Uma outra faceta deste empresário é escrever artigos para revistas e jornais de circulação nacional. Membro da Academia Paulista de Letras, já escreveu 03 peças teatrais focalizando os problemas sociais dos brasileiros. As peças "Brasil S/A", "SOS Brasil" e "Acorda Brasil" já foram encenadas em diversas cidades sempre com grande afluência de publico.
 
Hoje, problemas de saude o afastaram das suas principais atividades, mas mesmo assim, ele comparece em seu escritorio de trabalho de segunda a sexta feira.
Um grande homem, uma grande história
 
Não deixem de ler.
 
 
 
 



 

 

 

 

quarta-feira, 26 de junho de 2013

INFERNO









Olá meus amigos, fiquei um tempo sem escrever, em função dos compromissos escolares, mas agora durante as férias, irei publicar várias resenhas de livros que li e gostei. Para marcar um retorno legal, vou recomendar o Best Seeler do momento, que é "Inferno" de Dan Brown, livro este que assim como os anteriores do mesmo autor vai prender a atenção dos leitores desde a primeira página.


 Depois de “O Código da Vinci”, “Anjos e Demônios” e “Símbolo Perdido” Dan Brown da continuidade na saga de Robert Langdon com “Inferno”, que novamente aborda ficção, arte, símbolos, porém dessa vez inspirado em Dante Alighieri e sua obra “A Divina Comédia” e com as lindas paisagens da Itália, principalmente em Veneza e Istambul.


 Robert Langdon, diferentemente de suas ultimas aventuras, acorda sem memória em um hospital, então olhando pela janela escura, vê a silhueta de uma cidade que conhece muito bem e tudo fica ainda mais nebuloso: o que ele esta fazendo em Florença, na Itália? Antes que tivesse a resposta, uma mulher entra no hospital com a intenção de mata-lo.


 A doutora Brooks, então, o tira do prédio e o leva para sua casa, onde ela mostra um objeto que veio escondido em seu terno. Um frasco lacrado onde se carregam amostras de patógenos letais, abertos apenas com a digital da pessoa. Sem lembrar-se do que se tratam, ambos abrem o frasco e ao invés de uma amostra de alguma doença, contém um objeto que, iluminado por dentro, trás um quadro de Botticelli, que traz referencias a Divina Comédia, livro escrito por Dante Alighieri, mais especificamente, ao Inferno, o primeiro livro da clássica obra.




 Desta forma, os personagens Langdon e Sienna Brooks entram em uma corrida por toda Florença na tentativa de descobrir e impedir a disseminação de uma doença mortal, criada por um brilhante geneticista, que vê o aumento da população mundial como um câncer, que acabará nos levando à extinção. A Organização Mundial da Saúde também corre contra o tempo e em um determinado momento, Langdon percebe que não pode confiar em ninguém, muito menos em si próprio, já que não tem lembranças das últimas 36 horas e aparentemente foi capaz até mesmo de roubar uma estimada obra de arte.


 Intercalando entre Langdon e os outros que querem a sua morte, Dan Brown vai prendendo o leitor em uma trama sensacional, como já característico em suas obras, fazendo com que assim nós leitores fiquemos ansiosos e apreensivos para saber logo qual será o desenrolar da história.


 Será que Langdon e Sienna Brooks, vão conseguir impedir essa tragédia envolvendo toda a sociedade? Será que vão conseguir matar Langdon? Qual é a verdadeira ligação da obra  A Divina Comédia?


 Todos esses questionamentos são feitos no decorrer do livro, então como é uma obra na qual o suspense e o mistérios são os principais aliados de Dan Brown, deixo em aberto para que leiam e aproveitem dessa brilhante obra.