Translate

sábado, 29 de dezembro de 2012

JOAQUIM BARBOSA - O MINISTRO DO POVO

 
Estamos terminando 2012. Foi um ano especial pra mim, afinal de contas terminei o ensino médio, fiz muitos amigos, enfrentei, junto com a familia as dificuldades da vida moderna, mas estamos todos bem. Em 2013 tudo vai melhorar e espero continuar contando com o acompanhamento de vocês, que me motiva a continuar escrevendo sobre livros e de vez em quando, sobre fatos atuais. Hoje, para terminar o ano, vou escrever alguma coisa sobre o Presidente do Tribunal Superior, Joaquim Barbosa.
O que me motivou a escrever sobre este assunto foi uma noticia que vi hoje na Internet que a Assembléia Legislativa da Bahia recusou-se a homenagear Joaquim Barbosa, com o titulo de cidadão baiano. A honraria foi negada pela bancada do PT, talvez numa retaliação ao julgamento do mensalão, que atingiu,com o resultado, profudamente as bases do partido. Ainda acredito que muita coisa irá acontecer sobre assunto.
Li muito a respeito do julgamento do mensalão e dificil imaginar um brasileiro que mesmo rapidamente não tenha tido contato com este escandalo, que movimentou a midia de uma forma nunca antes feito, numa matéria técnica, que é o julgamento.
O povo brasileiro sente pela politica, que sempre foi marcada pela corrupção e falta de transparencia, a sensação de decepção,  injustiça, de estar sendo enganado a todo instante, mas tudo começou a mudar devido ao ministo Joaquim Barbosa.
O ministro Joaquim Barbosa sofreu quando criança. Era um garoto humilde, filho de pedreiro, que apesar de todas as dificuldades, batalhou, estudou e colheu o que plantou com louvor no cargo que exerce hoje.
 
 
Aos 58 anos, ele comandou a atitude que a população brasileira clamava, com o julgamento e a condenação dos mensaleiros, exterminando a defesa dos petistas. José Dirceu, Delubio Soares e José Genoino, além de outros condenados, afirmando e apresentando a maneira como era feito o desvio de verba dos cofres publicos para suborno de parlamentares e apoio ao governo Lula.
 
Como relator do processo, o ministro sempre procurou demostrar de forma clara sua afirmações e convicções, sempre muito questionado pelo ministro revisor do processo Ricardo Lewandowski, que na maioria das vezes mostrara contra a condenação de alguns envolvidos no processo do mensalão, principalmente de José Dirceu, mas no fim prevaleceu o bom senso e a grande maioria foi condenada.
Tudo isso é apenas um pouco do que este brasileiro fez pela população, e apesar do reconhecimento publico, ele fez o que se espera de todos os politicos: honestidade e que lute pelos interesses da população, que respeite sua nação, que honre sua Pátria. E este homem corajoso demostrou e serve de exemplo para todos; O poder nas mãos certa é uma ferramenta de progresso e todos se valem dele, mas em mãos erradas e o caminnho para a ganância, onde apenas alguns ganham, e muito. Um pequeno comparativo que deveria ser corrigido: após 08 anos um politico se aposenta, enquanto o trabalhador precisa de 25 ou 30.
 
A novela da noite diz "Salve Jorge", mas deveria ser "Salve Joaquim".
 
 
Feliz 2013 a todos




 

domingo, 2 de dezembro de 2012

101 DIAS EM BAGDÁ

 
Esta semana reli o livro "101 Dias em Bagdá", da jornalista norueguesa Asne Seierstad, autora também de outro sucesso editorial "O Livreiro de Cabul". Ela conta, nesta reportagem, o tempo que permaneceu no Iraque em plena guerra, quando houve a invasão das forças da ONU, que culminou com a queda do ditador Saddan Hussein, no periodo de janeiro a abril de 2003.
Qual foi a motivação de publicar uma resenha sobre este livro agora, considerando que este assunto já foi bastante explorado, discutido, criticado e elogiado por milhões e milhões de pessoas no mundo todo? Foi a reeleição do presidente americano Barack Obama. Estranha motivação, mas explico: em outubro de 2011, Obama confirmou a retirada total das tropas americanas do Iraque. Até o fim de 2011, a maioria dos soldados americanos já tinha deixado o país, restando apenas grupos de treinamento para as forças iraquianas. O Anuncio pôs um fim definitivo a uma guerra que já se estendia por nove anos, que matou mais de 4400 soldados americanos e um numero infinitamente maior de iraquianos. Esta guerra e sua motivação, dividiu o povo americano, nos que eram pro ou contra a Guerra do Iraque.
Barack Obama e os soldados no Iraque
O cronograma para a retirada de tropas foi selado entre os paises ainda durante o  governo do  presidente George W. Bush e foi tema de campanha eleitoral de Barack Obama, que prometeu acabar com a guerra e trazer de volta todos os soldados americanos envolvidos no conflito e cumpriu o prometido.
Voltando ao livro "101 Dias em Bagdá", a autora relata o que viu e viveu em Bagdá, mostrando uma cronica do cotidiano da guerra, da vida dos iraquianos, a reação aos bombardeios das forças aliadas, suas opiniões sobre o regime deposto de Saddam Hussein, as expectativas em relação ao futur e a censura à imprensa estrangeira, entre outros assuntos, ajudando a compreender os conflitos da sociedade iraquiana, revelando com isso, aspectos inexplorados pela midia mundial.
Asne Seierstad
O livro apresenta um texto gostoso e durante a leitura, você caro amigo, vai encontrar histórias tocantes como as de familias que precisam abandonar suas casas em busca de abrigo ou a de jovens voluntários que querem trabalhar como escudos humanos, descrevendo de uma forma envolvente, como um país inteiro, se preparou, enfrentou e ainda hoje enfrenta, devido a ação de grupos interessados no poder do Iraque, para agir diante do conflito e suportar a perda que a morte causa durante o desenvolvimento de uma guerra.
Vale a pena ler este livro.