Translate

quarta-feira, 2 de março de 2011

PEQUIM EM COMA


“Pequim em Coma” escrito pelo chinês nascido em Qingdao, Ma Jian, conta a história de Daí Wei, um jovem estudante, que viveu em um dos momentos mais turbulentos da história da China.
O livro relata o ocorrido a partir do  protesto que milhares de jovens que acamparam na Praça da Paz Celestial em Pequim para reenvindicar a democratização do Partido Comunista e o combate à corrupção. A idéia dos jovens foi aceita por boa parte da população e não demorou  para que quase toda a China se reunisse no protesto.
O grupo de jovens que iniciou o protesto agora se encontrava confuso com tanta repercussão. O governo chinês tentou acabar com as manifestações, que já duravam seis semanas, sem sucesso, até que numa noite quente de verão,  os tanques do Exercito Chinês cercaram os manisfestantes na Praça da Paz Celestial e com as luzes apagadas, iniciou-se um dos maiores massacres do mundo moderno.
Cerca de 40 mil soldados da Mongólia, com seus experientes oficiais que haviam lutado no Vietnã foram chamados do norte do país, depois que o batalhão de soldados estacionado na capital haviam se negado a cumprir as ordens para acabar com a manifestação pacífica por liberdade e democracia.
Os tanques invadiram a Praça Celestial, atropelando os manifestantes e atirarando em tudo o que se movia, promovendo um verdadeiro banho de sangue.

Um dos integrantes do protesto era Daí Wei, que durante um debate com seus amigos foi atingido por uma bala na cabeça. Daí Wei não morreu, mas mergulhou em um coma profundo, que só acabaria em 4 anos. Foram anos lutando contra a morte. Sua família, desesperada,  rezava todos os dias para que Dai Wei voltasse a vida.
Foram 4 anos marcados pela revolta que aconteceu  no dia 4 de junho de 1989, que ficou conhecido como o Massacre da Praça da Paz Celestial.
Daí Wei, em estado de coma, era um prisioneiro de seu corpo, mas ouvia e sentia todo o esforço de sua mãe para mantê-lo vivo e também sabia do esforço do Governo Chinês para  apagar da memória do povo chinês a tragédia ocorrida.
Mas mesmo apesar de todo o esforço da familia,  a situação de Daí Wei não era  fácil. Ele  se mostrava um rapaz guerreiro, mas cada vez mais debilitado, não esquecia as  fortes cenas daquele terrível massacre.
Lembrava das diversas pessoas que ele viu cair diante de si, das crianças chorando a  perda dos pais, mas o que mais o atormentava era saber que todo aquele transtorno havia sido uma iniciativa de um grupo de jovens no qual ele fazia parte.
Seu estado de saude ficava cada dia mais serio, suas forças  acabando, a morte cada dia  mais próxima.  Não havia mais o que fazer, era só rezar. Daí Wei estava entre a vida e a morte.
‘Será que Daí Wei sobreviveu depois de tantos anos em coma, preso em seu próprio corpo, ou será que Daí Wei não agüentou e chegou a falecer depois de uma vida marcante e sofrida?’.
Leiam e vejam a riqueza da obra de Ma Jian,  que insere  suspense num romance baseado em fatos reais. A leitura é emocionante da primeira a ultima pagina

Recomendo a todos.

Um comentário:

  1. Hey, Luis!

    Muito obrigada pela visita, viu?
    Já estou te seguindo.

    Beijo grande pra vc!

    ResponderExcluir