Translate

terça-feira, 9 de outubro de 2012

FLORIANO, O MARECHAL IMPLACÁVEL


Hoje vamos falar um pouco da Historia do Brasil e prestar uma justa homenagem a um grande brasileiro, que de certa forma, este meio esquecido pelos historiados.
O que teria acontecido ao nosso país se a República não tivesse sido proclamada? Se após a morte de D. Pedro II a princesa Isabel tivesse tido a chance de manter a Monarquia por mais alguns anos? O que teria acontecido ao Brasil se o homem que substituiu o Marechal Deodoro da Fonseca na presidência do País, se não tivesse sido o Marechal Floriano Peixoto? Estas perguntas e muitas outras são respondidas no livro “FLORIANO, O MARECHAL IMPLACÁVEL”, do jornalista João Natale Netto.
J.Natale Netto
O autor, natural de São Paulo, é um dos grandes profissionais do jornalismo escrito, sendo por muitos anos membro do conselho editorial da Editora Abril, onde entre outros grandes trabalhos, destacou a direção da extinta revista Realidade, considerada um marco no Jornalismo moderno brasileiro.Sobre o livro, que considero uma obra imperdível sobre a nossa historia, ele relata com detalhes sobre este grande homem que foi Floriano. Nascido a 30 de abril de 1839, na cidade de Maceió, na Alagoas.
Filho de lavradores pobres foi criado pelo tio e padrinho, o coronel José Vieira de Araújo Peixoto. Cursou o primário em Maceió e a Escola Militar no Rio de Janeiro, para onde foi mandado aos 16 anos. Revelou distinção e bravura no exército, especialmente na Guerra do Paraguai, da qual participou até o desfecho, em Cerro Corá. 
A Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul no século 19. Rivalidades platinas e a formação de Estado os nacionais deflagraram o confronto, que destruiu a economia e a população paraguaias. 
A Guerra do Paraguai durou seis anos. Teve seu início  em dezembro de 1864 e só chegou ao fim no ano de 1870, com a morte de Francisco Solano Lopes em Cerro Cora. 
Exercia, no Exercito,  o posto de ajudante general-de-campo, segundo posto abaixo do ministro do Exército, o visconde de Ouro Preto, quando teve início o movimento republicano em 1889. Recusou-se a fazer parte da conspiração, mas também não se dispôs a combater as tropas republicanas rebeladas.
Com a proclamação da República, ocupou o Ministério da Guerra, em 1890, e foi eleito vice-presidente de Deodoro da Fonseca no ano seguinte. Com a renúncia de Fonseca, assumiu a presidência e governou no regime que ficou conhecido como "mão de ferro" até o final do mandato, em 1894. 

Uma parte das forças da época o considerava um verdadeiro ditador, porém seus admiradores e o povo em geral o viam com o Salvador da Pátria, pois ele acabou com uma rebelião na época, feita pelo Monarquista, que queriam dividir o Brasil em republiquetas. Não fosse Floriano, certamente o Brasil não seria o que é hoje
Ponte Ercílio Luz -  Cartão Postal de Florianópolis
Em sua homenagem o governador catarinense Hercílio Luz decretou a mudança de nome da capital, de Desterro para Florianópolis em 10 de outubro de 1894. Abandonou a carreira política assim que deixou o cargo de presidente. Morreu em Divisa, hoje distrito de Floriano, no município de Barra Mansa, Rio de Janeiro, em 26 de junho de 1895.
Não deixem de conhecer este livro. Com certeza muitas duvidas ou fatos novos irão surgir no seu entendimento do Brasil.
Vale à pena!





3 comentários:

  1. Muito bacana você incentivar a leitura de livros focados em história e biografia. É muito importante conhecer o passado para entender o presente. Há bons livros, alguns escritos por estrangeiros, sobre o Brasil. Inclusive sobre a Princesa Isabel e Dom Pedro II. Sempre achei isso um absurdo, por que cabe a nós buscarmos nossas raízes. Não li este livro e não tenho ideia se ele conta a história da Guerra do Paraguai, mas se conta com certeza acaba causando uma mancha na vida deste general. A Guerra do Paraguai foi o maior genocidio patrocinado por este país... Mas isso é história para um outro livro.
    Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  2. Herói depende muito do ponto de vista, não existia legitimidade no golpe de estado do dia 15 de Novembro de 1889, não é um homem a ser lembrando por mérito e sim dos massacres que ele cometeu a república foi consolidada através de sangue, a revolta da armada e a revolução federalista são exemplos disso.
    Floriano Peixoto nunca respeitou o senso democrático, pelo contrário perseguia os que se voltavam contra seu poder imposto, ele ilustra bem o positivismo em sua máxima estrutura da ordem e progresso, a república velha em nada beneficiou o Brasil, se fala de Florianópolis como se fosse um gesto carinhoso de homenagem e na verdade o nome foi imposto aos derrotadas da revolução na ilha de Nossa Senhora do Desterro!!
    Liberdade de imprensa e expressão existia no império, essa período de governo republicano classifico como uma desgraça nacional e nos anos posteriores em nada beneficiou a grandeza do Brasil, imposição de regime não significa que a grande maioria o tenha aceitado como se fosse a solução, o hino da proclamação da república já é cômico por ilustrar uma falsa realidade com o advento da república, se criaram heróis nacionais, trocaram símbolos ganhamos uma bandeira com uma frase positivista, Benjamin Constant ficou orgulhoso e no final da sua vida descontente com os passos da república, Rui Barbosa diga-se de passagem idem.
    Sobre a guerra do Paraguai realmente foi um conflito, mais o que o Brasil faria? entregaria o Mato Grosso e o Rio Grande do Sul nas mãos de Solano Lopes? tem muito brasileiro que deprecia e cria-se o mito de intervenção inglesa e outras bobagens ao meu ver, Solano Lopes foi um louco de colocar o povo na frente de batalha, encarem os fatos não temos uma tradição pacifista, o século XIX e iniciou do século XX houveram diversos conflitos armados no Brasil, que somados muitos perderam as vidas, uma guerra nunca é bem vinda mais a soberania de uma nação não pode ser colocada para baixo como hoje!! somos o que chacota da America do Sul!! venezuelanos, bolivianos e até paraguaios brincam na fronteira, no Acre o exército bolivianos chegou a entrar em uma cidade da fronteira e aí eu pergunto está correto??O que eu posso esperar do Brasil padrão MEC, aonde historiadores marxistas e tendenciosos distorcem fatos, um padrão educacional a lá Paulo Freire dá nisso!! Enquanto isso o 7 de Setembro é vergonha para os brasileiros, ao contrário do 9 de Julho dos americanos, e ainda tem gente que acha que o 15 de Novembro foi da forma pintada no quadro o ilustre traidor Deodoro da Fonseca no seu cavalo branco, não passamos de uma república federativa das bananas!! Outra coisa dizer que o povo o considerava herói!! aonde isso? Enquanto os maragatos e pica paus se matavam e Coritiba foi invadida o barão do Cerro Azul, salvou o povo de um massacre no final das contas as tropas legalista do ilustre Marechal Floriano Peixoto o acusaram de traição, resultado foi assassinado.
    Floriano Peixoto nos deixou o legado do positivismo que acompanhou os militares por anos no Brasil.

    ResponderExcluir
  3. A Historia do Brasil está revestida de inumeros fatos contados sabe-se la de que maneira, mas é o que chega pra nós até hoje. Agradeço os comentários sobre esta publicação que não reflete minha opinião e sim um convite para os leitores que acompanham este blog conhecer a biografia de um brasileiro, que certo ou errado, fez parte dos acontecimentos de sua epoca.

    ResponderExcluir