Translate

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Estação Carandiru


Dráuzio Varella, médico cancerologista paulista, iniciou em 1989 um trabalho voluntário de prevenção à AIDS na Casa de Detenção de São Paulo, na época, o maior presídio do Brasil, situado no bairro do Carandiru e que abrigava mais de 7200 presos. O conjunto presidiário era formado por nove pavilhões, cada um com cinco andares. Suas celas tinham portas maciças e só se sabia o que passava atrás delas quando as abria.

Complexo Prisional do Carandiru
Por sua experiência vivida neste local como médico, ele escreveu um grande sucesso editorial brasileiro “Estação Carandiru”. Neste livro, o autor relata suas experiências pessoais, fruto do relacionamento com presos e funcionários e se dispõe a tratar com as pessoas caso a caso, mesmo em condições nada propícias à manifestação das individualidades.
Dráuzio Varella descreve no livro mais os aspectos sociológicos do que os propriamente ligados à área médica. Seu trabalho de pesquisa de prevenção à AIDS deu–lhe a oportunidade de conhecer um lugar povoado de maldade onde não se conhece, muitas vezes, a verdade. A vida dentro da Penitenciária do Carandiru caracteriza–se como um mundo diferente, dentro do mundo ocupado pelos cidadãos livres.

Superlotação foi a razão da rebelião
Ali existiam normas que deviam ser cumpridas por força da segurança e da lei, entre outras formuladas pelos presidiários, que exigiam que fossem cumpridas. Qualquer descumprimento com as regras eram castigadas com espancamentos e dependendo do caso, até com a pena de morte. Os prisioneiros eram ao mesmo tempo seus próprios juízes e algozes tendo como base as leis por eles mesmos estabelecidas.
Cada pavilhão tinha sua clientela especifica. O critério da distribuição obedecia às regras básicas. Por exemplo, quem praticava o estupro era encaminhado para o Pavilhão Cinco, os reincidentes no oito e os réus primários no Pavilhão Nove. Os presos com diploma universitários, que eram raros, moravam em celas individuais no Pavilhão Quatro, que era o local com mais privilégios dentro daquele enorme complexo prisional..

Um dos pavilhões do presidio
O pavilhão cinco era o mais lotado da cadeia. Moravam ali 1.600 homens, o triplo do que era recomendado para uma cadeia inteira. Ali habitavam os presos integrantes da faxina da penitenciaria. Eram os encarregados da limpeza geral e da distribuição de refeições. No quarto andar ficavam os presos que foram expulsos dos outros pavilhões devido a maus procedimentos ou derrota em disputas pessoais, além de outros estupradores e justiceiros. O que mais chamava atenção neste andar era a presença dos travestis com as maçãs do rosto infladas de silicone, calças agarradas e andar rebolado.
O livro retrata ainda em detalhes um dos episódios mais violentos do Governo do Estado de São Paulo, quando o Governado Fleury, autoriza a invasão do presídio por tropas policiais e este episódio triste da historia fico conhecido como O Massacre do Carandiru.
Numa sexta feira, do mês de outubro de 1992, começou uma rebelião no Pavilhão Nove. As quinze horas deste dia, policiais entraram na Detenção com metralhadoras, cães e escopetas. O Governador Fleury Filho qualificou a operação como uma ação policial para combater briga de quadrilhas. Nesta operação, de uma forma cruel, cento e onze detentos foram mortos pela Policia.

Tropa de Choque
O ambiente na cadeia é como uma panela de pressão, quando explode é impossível conter. O ataque foi desfechado com precisão militar, rápido e letal. A violência da ação não deu chance de defesa para os presos. Trinta minutos depois da invasão ouviram-se gritos de “Para! Já chega! Acabou!” Uma, após outra, as metralhadoras foram silenciando. Após os tiros caiu um silencio de morte nas galerias. Os carros da polícia e do IML transportaram os mortos, até tarde da noite. Nas celas o ambiente era trágico. Dadá, um preso evangélico que sobreviveu ao massacre abriu a Bíblia e leu chorando como criança com o trecho: “Mil cairão ao teu lado e dez mil à tua direita, mas tu não serás atingido, nada chegará à tua tenda” Salmo 91


Mortos no Massacre do Carandiru
Sem qualquer condição de cumprir sua função social, o completo da Penitenciaria do Carandiru, que foi construído para abrigar 3500 presos, chegou a abrigar mais de 9000 detentos. O local era imagem vergonhosa da grave crise do sistema prisional em São Paulo. Era impossível continuar como estava e decisões governamentais foram tomadas. Novas penitenciarias foram construídas no Interior do Estado, a população carcerária foi dividida entre as novas unidades e aquele inferno localizado praticamente no centro da maior cidade do Brasil, foi finalmente desativado.

Mega Biblioteca construida no local dos presidios
Parte da construção foi implodido em 2002. Apenas alguns prédios foram deixados para a administração publica, senão com este objetivo, mas como uma lembrança de um momento para ser esquecido pelo povo paulistano.


O sucesso do livro “Estação Carandiru” foi tanto que sua historia foi retratada no cinema, com o filme que teve o mesmo nome, que é até hoje, um dos maiores feitos do cinema brasileiro.

Simplesmente uma obra extraordinária.

 
Fotos obtidas pela Internet

Um comentário:

  1. Olá! ;D

    Venha conhecer o livro mais polêmico do ano: O POMO DE OURO.

    SINOPSE: Henrique foi instruído nos mistérios da Maçonaria desde criança e tornou-se um bom Mestre Maçom. Entretanto, por ocasião dos atentados ao World Trade Center, no dia 11 de setembro de 2001, Henrique descobriu coisas tão perturbadoras que fizeram ele se afastar da Maçonaria e isolar-se do mundo, até que sua amiga Eva Cristina foi procurá-lo para ajudá-la a decifrar um código que o pai dela havia deixado numa carta antes de falecer em suas explorações arqueológicas. A partir daí, Henrique se vê obrigado a usar de seus conhecimentos secretos da Maçonaria para ajudar Eva a encontrar e devolver a quem de direito um objeto do qual depende o futuro da humanidade: o pomo de ouro.

    Com uma narrativa dinâmica e envolvente para uma trama repleta de mistério, aventura e reviravoltas, o leitor é apresentado a uma série de contradições envolvendo os atentados de 11 de setembro, se torna conhecedor das mentiras da Igreja Católica e dos mais finos mistérios da Maçonaria, além de ficar a par da interpretação contundente de um conjunto de profecias que parece estar se concretizando a todo o momento em nosso tempo.

    Realidade? Ficção? O Pomo de Ouro é a leitura mais intrigante, polêmica e misteriosa dos últimos tempos. Um livro único e imperdível!

    LEIA 07 CAPÍTULOS DO LIVRO GRATUITAMENTE NO BLOG:
    http://opomodeouro1.blogspot.com/

    Espero que goste da leitura.

    Um grande abraço pra você! ;D

    ResponderExcluir